Escola Centenária

Em 1876, na Espanha, o sacerdote Enrique de Ossó, hoje Santo Enrique, sonhou que através da força, do entusiasmo e da capacidade da mulher, poderia regenerar e transformar a sociedade por meio da educação.
Desse sonho surgiu a Companhia de Santa Teresa de Jesus, que hoje se estende pela Europa, América, África e Ásia, com escolas e comunidades no Brasil desde 1911.
No Rio de Janeiro, o Colégio Santa Teresa de Jesus, fundado no dia 15 de julho de 1915, concretiza o sonho educativo de Enrique de Ossó, infundindo ao longo de sua história a espiritualidade teresiana, o espírito da verdade, a alegria e a dignidade a diversas gerações.
O Colégio Santa Teresa de Jesus é uma escola católica, com mais de 100 anos de existência, preocupada com a afirmação de valores antropológicos, éticos, evangélicos e sustentáveis, que fazem parte de sua filosofia e estão presentes em toda a sua metodologia, contribuindo com a formação de indivíduos capazes de promover a transformação social, construindo, assim, uma sociedade mais solidária, fraterna, justa e igualitária.
A filosofia da Escola Teresiana se expressa através da Proposta Pedagógica que foi elaborada de acordo com os ideais de seu fundador, Santo Enrique de Ossó, e de Santa Teresa.
Como instituição Católica, a Escola Teresiana desenvolve relações éticas e cidadãs, acolhe os alunos com suas diferenças culturais e promove uma educação humanizadora, libertadora e transformadora, mantendo sempre presente o compromisso com a excelência na construção do conhecimento.
O Colégio Santa Teresa de Jesus acredita na educação fundamentada em relações solidárias e éticas, que articula conhecimento e senso crítico através da excelência acadêmica, humana e espiritual. Prioriza ainda a autoria e a consciência crítica de cada aluno, desenvolvendo seu Projeto Pedagógico com a metodologia da ação-reflexão-ação.
Está é a marca do Colégio Santa Teresa de Jesus: uma educação com alma que se notabiliza pela sua tradição em inovar e educar para a cidadania consciente.
“A Família Teresiana assemelha-se a um grão de mostarda que um homem de fé, Enrique de Ossó, semeou no meio do mundo. O grão brotou e cresceu de noite e de dia, sem que ele soubesse como. E fez-se árvore. A árvore expandiu-se pelas suas sementes, cresceu noutras terras, atravessou o mar... Chegou bem longe, pôde oferecer os seus frutos a outras gentes que ele não conhecia. Passou por invernos e por muitos outonos, mas também lhe chegaram primaveras de esperança... E, de estação em estação, foi se fortalecendo”.